Catequese

A catequese se constitui em prioridade permanente da Igreja. A catequese se encarrega de estudar os temas que fazem parte da vida cristã e que fundamentam a Igreja católica. É sabido que a família, os pais são os primeiros catequistas e a família se constitui no mais importante ambiente da vida cristã. É sabido também que muitas famílias não alcançam este nível de consciência e comprometimento. O resultado da educação familiar, escolar, eclesial… não alcançam os resultados, o nível desejado.

 A história e as experiências da catequese formam um capítulo importante e curioso na vida da Igreja. Mesmo antes do Concílio, já começou um processo de renovação, especialmente de renovação para métodos mais pedagógicos e didáticos. O próprio Concílio, no seu conjunto, foi precedido de um generalizado desejo de renovar,  adaptar e atualizar a caminhada da Igreja. Assim ficou conhecida a expressão de João XXIII  – Aggiornamento – como uma atualização. O Concílio Vaticano II (1962-1965) cultivou a esperança de atualizar a visão de Igreja, de liturgia, das relações com o mundo… Embora o Concílio não falasse explicitamente sobre catequese, questionou intensamente o seu conteúdo e, em 1971, foi publicado o Primeiro Diretório da Catequese.

Em 1974 houve o Sínodo sobre a Evangelização no Mundo, seguido, em 1975, pela Exortação Apostólica “Evangelii Nuntiandi” (Paulo VI).

Em 1977 houve um Sínodo sobre Catequese, seguido, no mesmo ano, pela Exortação Apostólica “Catechesi Tradendae” (João Paulo II)

 Em 1997 foi publicado o novo Diretório Geral da Catequese.

Em 1968 foi feita uma Assembléia dos Bispos e teólogos da América Latina e Caribe, em Medellin (Colômbia) que renovou substancialmente a catequese neste continente, partindo da situação do homem latino americano, com a opção preferencial evangélica pelos pobres.

Em 1979 houve outra Assembléia em Puebla (México) que reafirmou a opção preferencial evangélica pelos pobres, acrescentando a opção preferencial pelos jovens e a atenção pela religiosidade popular.

Em nível do Brasil

Em 1983, no ambiente de Medellín e Puebla, foi publicado o documento “Catequese Renovada” (Nº 26) da CNBB, depois de uma longa preparação. Foi um verdadeiro “mutirão” por causa do intercâmbio com as bases da catequese em todos os regionais. Houve mais de 30 edições deste documento. A Primeira Semana Brasileira de Catequese, em 1986, espalhou o documento por todos os cantos do Brasil, o que desencadeou um grande entusiasmo pela renovação catequética.

Começou a desencadear-se um processo novo na catequese, saindo da catequese tipo ensino das verdades da fé, um método que consistia em decorar perguntas e respostas. Pouco era o estudo bíblico. A preocupação era principalmente uma preparação para a Primeira Comunhão e/ou Crisma, desligada da realidade dos catequizandos.

Com a Catequese Renovada passou-se do ensino de doutrina para o anúncio da mensagem de Jesus, que desperta para a fé viva em Jesus Cristo, para atitudes evangélicas e para um compromisso vivencial. É claro que na prática estamos longe deste ideal. A Catequese Renovada procura partir da experiência da vida, da realidade dos catequizandos, iluminar a vida com a luz da Palavra de Deus e despertar para uma vivência concreta e comprometida com o Reinado de Deus.

Este método não somente faz parte da Catequese, mas toda a pastoral na América Latina ficou impregnada por ele. É o chamado método “Ver – Julgar –Agir” (mais tarde completado com “celebrar e avaliar”).

Nesta caminhada a catequese se constitui em alegrias e contrariedades. Muitas pessoas, catequistas, fazem uma bela caminhada de Igreja, renovando-se sempre a ajudando as crianças e jovens a cultivar a alegria de viver o batismo, com sempre maior integralidade. Por outra, os tempos difíceis que estamos vivendo, desviam a atenção, não favorecem um aprofundamento, um cultivo mais intenso dos valores cristãos.

Deus continue inspirando muitas pessoas abnegadas a viver a alegria de sua vocação, leigos conscientes e dedicados, dando de si o melhor para que a vida seja mais plena, conforme a vontade do Senhor.